Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência.



Foto por: Pixabay/ilustração
Especialistas recomendaram não confirmar códigos enviados por supostos pesquisadores de opinião

Homem identifica transferências via PIX que diz não ter feito; veja dicas para evitar problemas

Por: Da Redação
07/05/2021 às 11:05
Cidades

Segundo o Banco Central, os principais golpes são pedidos de dinheiro por aplicativo de mensagem clonado de amigos e conhecidos; SMS, e-mail ou ligações que pedem atualização de cadastros com links para páginas falsas e lojas virtuais falsas que jamais enviam os produtos comprados


Em boletim de ocorrência registrado no Plantão Policial, um morador de Rio Preto alega que pode ter sido vítima de um golpe envolvendo duas transferências de dinheiro pelo uso do aplicativo PIX. Ao conferir o extrato da Caixa Federal, ele afirma ter notado duas movimentações que não autorizou, uma no valor de R$ 600 e outra de R$ 37.

A vítima disse que cadastrou o funcionamento do Pix há poucos dias para movimentação bancária, mas que havia apenas usado para recebimento, nunca para pagamento. Ele afirmou que comunicou a gerência do banco e foi informado que a entidade se propôs a investigar possível ocorrência de fraude.

Segundo o Banco Central (BC), eventuais golpes que ocorram por meio do Pix decorrem da manipulação de contextos sociais por fraudadores, não de falhas de segurança no sistema. Segundo a autoridade monetária, cabe ao usuário precaver-se para não ser lesado.

"Em situações de medo ou ganância, pare e pense no contexto e se faz sentido. Então, tome domínio da situação”, diz o chefe-adjunto do Departamento de Competição e de Estrutura do Mercado Financeiro do Banco Central, Carlos Eduardo Brandt.

Os principais golpes são pedidos de dinheiro por aplicativo de mensagem clonado (Whatsapp ou Telegram) de amigos e conhecidos; SMS, e-mail ou ligações que pedem atualização de cadastros com links para páginas falsas e lojas virtuais falsas que jamais enviam os produtos comprados.

Nessas situações, o Pix, informa o Banco Central, é mais seguro que os mecanismos tradicionais de transferência. Isso porque a ferramenta fornece as informações do receptor do pagamento, como nome completo e parte do número do Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) ou do Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ). Cabe ao usuário conferir os dados de quem recebe a transferência.

DICAS

No caso de clonagem de aplicativos de mensagens, deve-se telefonar para a pessoa para confirmar o pedido de dinheiro. No caso de atualizações cadastrais que resultem na clonagem da conta bancária, o cliente jamais deve clicar em links enviados e deve ligar de volta para a instituição financeira para perguntar se os dados bancários estão em dia.

Em relação a lojas virtuais falsas, o usuário deve primeiramente verificar se o endereço da página, que se parece com o da loja original, tem alguma letra trocada e desconfiar de produtos e de serviços em condições supervantajosas. Por fim, o consumidor pode tentar navegar no site para ver se a página é verdadeira.

Para evitar ter o Whatsapp ou o Telegram clonados, os especialistas recomendaram não confirmar códigos enviados por supostos pesquisadores de opinião que pedem para avaliar o trabalho ou falsas empresas de telefonia e instituições financeiras que alegam problemas de segurança. Esse código, enviado por mensagem de texto, representa o login da conta permite ao golpista acessar o aplicativo. Outra recomendação é ativar a verificação em duas etapas, disponível nos aplicativos, que introduz um código adicional e impede o acesso instantâneo à conta.







Anunciar no Portal DLNews

Seu contato é muito importante para nós! Assim que recebemos seus dados cadastrais entraremos em contato o mais rápido possível!