Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência.



Candidato de Bolsonaro na Câmara, Lira investe em reduto de Doria e diz ter maioria em SP

Por: FOLHAPRESS - CAROLINA LINHARES
21/01/2021 às 17:30
Brasil e Mundo

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O deputado federal Arthur Lira (PP-AL), candidato à presidência da Câmara dos Deputados, afirmou nesta quinta-feira (21) ter o apoio...


SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O deputado federal Arthur Lira (PP-AL), candidato à presidência da Câmara dos Deputados, afirmou nesta quinta-feira (21) ter o apoio da maioria dos deputados de São Paulo, apesar de o governador João Doria (PSDB) apoiar seu adversário na disputa, o deputado federal Baleia Rossi (MDB-SP).
"São Paulo está do nosso lado. Quem vota na eleição da Câmara são os deputados. Os governadores, eu respeito institucionalmente, cada um pode tomar a sua posição, mas a campanha é feita internamente", afirmou Lira, que criticou o adversário. "Minha campanha é a proposta do nós, acabando com a centralização da pauta e a governabilidade do eu."
Lira, candidato apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), está percorrendo o país em campanha e chegou à capital paulista na quarta (20). Segundo seus aliados, um jantar de apoio reuniu 43 deputados federais de São Paulo e outros 31 de outros estados. Estavam presentes ainda os presidentes de seis partidos —PSD, PP, PL, Podemos, Avante e Republicanos.
Já aliados de Baleia contestam o favoritismo alegado por Lira no estado. Segundo eles, a disputa ainda está em aberto, com 13 deputados paulistas indecisos.
Nesta quinta pela manhã, Lira teria reunião com o prefeito Bruno Covas (PSDB), apesar do apoio de Doria e do PSDB a Baleia. O encontro, no entanto, acabou cancelado por conflito de agendas. O deputado teve uma reunião com representantes do mercado financeiro e falou com Covas apenas por telefone.
Segundo tucanos, o contato com o prefeito ocorre por questão institucional e de educação. Para aliados de Doria, Lira busca votos em São Paulo porque o estado tem a maior bancada do país, com mais de 70 parlamentares.
O deputado falou à imprensa após palestra na Associação Comercial de São Paulo, onde esteve acompanhado de cerca de 20 deputados. Também estavam presentes o ex-ministro Gilberto Kassab, presidente do PSD e ex-secretário de Doria, e o secretário municipal da Casa Civil, Ricardo Tripoli (PSDB), representando Covas. Kassab já declarou seu apoio a Lira.
Também nesta quinta a Mesa Diretora da Câmara deu aval para que o PSL ingresse no bloco de Lira. O partido declarou apoio a Baleia, mas enfrenta uma rebelião de deputados, a maioria bolsonarista, que endossam Lira. Após brigas internas, os apoiadores do deputado do PP conseguiram formar maioria na bancada do PSL para formalizarem a adesão ao bloco.
A investida de Lira em São Paulo ocorre após gesto de Doria a favor de Baleia. Na sexta (15), o governador ofereceu ao emedebista um almoço que reuniu cerca de 20 parlamentares e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (MDB-RJ), no Palácio dos Bandeirantes.
Após o almoço, Doria concedeu entrevista à imprensa para declarar seu apoio a Baleia. Na ocasião fez duras críticas a Bolsonaro e afirmou que a escolha entre o emedebista e Lira “é a disputa entre a defesa democrática e a ameaça a democracia”.
Em entrevista nesta quinta, em meio à pressão sobre Bolsonaro por causa da omissão no combate à pandemia, Lira pregou harmonia entre os Poderes.
"O Brasil não precisa e não aguenta mais acotovelamentos, nem disputas, nem brigas. [...] Nossas propostas são voltadas para que a gente harmonize essa situação, mantenha sempre a independência do poder, a altivez , os limites constitucionais. [...] É imprescindível que se trabalhe para tranquilizar o ambiente", afirmou.
"O Brasil precisa parar de brigar. Cada Poder tem que cumprir a sua missão. [...] Temos a obrigação de não politizar a vacina, temos que trabalhar de bombeiro, praticamente, para reatar situações que podem ter sido conflituosas​", completou.
Lira também comentou a nota da PGR (Procuradoria-geral da República) em que o procurador-geral, Augusto Aras, afirma que compete ao Congresso Nacional a responsabilização de integrantes da cúpula dos Três Poderes por eventuais ilícitos no combate à Covid-19.​
​"A responsabilização de quem não cumpre sua obrigação acontece em diversas escalas de poder. [...] A Câmara e o Senado têm a obrigação de fiscalizar. Como é também função do Ministério Público, que muitas vezes exagera um pouco nas suas atividades, nas suas atribuições, mas cumpre seu papel constitucional", disse Lira.
O deputado afirmou, porém, citando a situação de Manaus, que não é o momento de encontrar culpados, mas sim de resolver o problema da pandemia.
A respeito do auxílio emergencial, Lira afirmou defender que o Congresso vote o Orçamento e discuta uma PEC emergencial para dar condições ao governo federal de estabelecer o benefício respeitando o teto de gastos.
​Segundo Lira, um auxílio provisório poderia ser pago por dois ou três meses até que o Congresso aprovasse um programa permanente.

Publicado em Thu, 21 Jan 2021 17:29:00 -0300







Anunciar no Portal DLNews

Seu contato é muito importante para nós! Assim que recebemos seus dados cadastrais entraremos em contato o mais rápido possível!