Brasil tem 57 mortes por coronavírus e 2.433 casos confirmados

Por: FOLHAPRESS - NATÁLIA CANCIAN E PAULO SALDAÑA
26/03/2020 às 21:00
Brasil e Mundo

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O número de mortes pelo novo coronavírus subiu de 46 para 57 nesta quarta-feira (25), segundo o Ministério da Saúde. Entre as morte...

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O número de mortes pelo novo coronavírus subiu de 46 para 57 nesta quarta-feira (25), segundo o Ministério da Saúde.
Entre as mortes, 48 ocorreram em São Paulo, seis no Rio de Janeiro, uma no Rio Grande do Sul, uma no Pernambuco e uma no Amazonas.
As regiões Norte, Nordeste e Sul tiveram os primeiros óbitos confirmados pelo coronavírus nesta quarta-feira.
Ao comentar os números, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse que os dados estão dentro do esperado para o mês.
"Vamos trabalhar nesse final de semana para saber quais as projeções para o próximo".
Segundo ele, a taxa de letalidade deve diminuir com o aumento da testagem de casos.
"Quando fizermos os testes rápidos, esse número de confirmados vai aumentar muito. A letalidade vai ficar menor do que 2,4%. Isso vai ser mais um elemento para que a população possa entender a dinâmica dessa virose."
O país já soma ao menos 2.433 casos confirmados do novo coronavírus. Até terça, eram 2.201 registrados.
Exames, porém, são restritos apenas a pacientes com quadros graves, o que inviabiliza a confirmação de mais casos. A orientação nestes casos é que as pessoas permaneçam em isolamento domiciliar e, se necessário, procurem atendimento em unidades de saúde.
Em pronunciamento na noite desta terça-feira (24), o presidente Jair Bolsonaro criticou o fechamento de escolas e do comércio, contrariou orientações dos órgãos de saúde e atacou governadores, o que gerou reações de entidades de saúde e na esfera política.
Nesta quarta-feira, Mandetta endossou parte do discurso ao fazer críticas à paralisação total e defendeu que medidas como isolamento e quarentena sejam melhor discutidas com governadores.
“Nesse sentido vejo a grande colaboração da fala do presidente. De chamar a atenção de todos para a economia. A maneira como vamos fazer é juntos, e com inúmeros ministros de estados. Não há um ministério que não tenha suas peculiaridades.”
O secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo dos Reis, disse que a pasta estudará a possibilidade de recomendar um isolamento vertical, voltado a grupos de risco, como defendido por Bolsonaro, mas que a decisão caberá à equipe técnica.
"Esse é um tema que tem sido analisado e vai continuar sendo analisado. Não é porque houve uma determinação superior. Ela será implementada se nossos consultores chegarem a conclusão que esse é um caminho a ser percorrido."
Em meio a queda de braço com os estados, a pasta também anunciou o envio de R$ 600 milhões para serem distribuídos por secretarias estaduais de saúde a municípios em ações de assistência pelo novo coronavírus.

Publicado em Thu, 26 Mar 2020 20:37:00 -0300






Anunciar no Portal DLNews

Seu contato é muito importante para nós! Assim que recebemos seus dados cadastrais entraremos em contato o mais rápido possível!